Eu me sento e espero pelo entardecer. São momentos como esse em que vemos como é bela a vida. Em que outra hora veríamos o céu laranja? Durante o amanhecer, ele está vermelho, é quando o céu mostra as marcas da noite. Ao entardecer ele se arrepende pelos erros cometidos no dia. Agora está escurecendo, porém ainda é claro, posso ver os últimos raios de sol no horizonte. A noite está chegando, e o dia vai partindo. Porém, ao entardecer, eles param para conversar. Dois opostos convivendo em perfeita união. O entardecer é a hora mágica, é a hora em que renovamos a nossa esperança: por mais escuro que esteja, o sol há de nascer e iluminar meus caminhos, por isso, posso continuar.

Isabella Quaranta

terça-feira, dezembro 22, 2009

À espera do entardecer – Capítulo 8: Rebecca, eu te amo.

Oiii a todos os que lêem. Eu sei que era pra eu ter postado ontem, é que não deu, aconteceu um imprevisto. Eu fiquei estressada com o capítulo, rasguei tudo que escrevi e comecei do zero. Fique escrevendo a madrugada toda. Mas acho que ficou bom. Contando um pouco da minha vida por aqui, eu decidi largar As 1001 noites. Realmente, estavam me dando sono. Então recorri a livros de mistério, preciso de inspiração para os novos capítulos. Ops, falei demais.

Pulando essa parte de que eu sou uma tagarela. Eu descobri que tem gente que lê isso daqui *-* é tão emocionante saber disso. Sério gente, eu quase choro. Ok, se querem me deixar feliz façam um comentário! O que custa clicar ali em baixo e dizer: “Oi, li e gostei” ou “Oi, li e não gostei, melhore isso, isso e isso.” Sempre que vocês dão uma opinião ajuda.Esqueçam o que eu disse e aproveitem o capítulo. Ah, só pra avisa, nesse capítulo não tem narração de Jean Patrick. Eu sei, é triste, mas Rebecca é o centro de tudo, afinal, o título é dela. Ainda estou devendo um post sobre a vida dela, como tem o de Jean Patrick, prometo fazer o quanto antes. Beijos.

Rebecca, eu te amo

Já se passaram dois meses que eu cheguei à França e também ao colégio St. Peter. Não parece que se passaram dois meses. Nesses dois meses muita coisa aconteceu. O colégio ainda me parece um mistério, tudo ainda é muito novo para mim. Eu conheci algumas pessoas nesse tempo. Entre elas algumas marcaram meus dias aqui.

Enzo eu conheci na iniciação, ele é um italiano de 17 anos, lindo de morrer, que conhece todo mundo por aqui, mas não larga de mim. Não que eu esteja reclamando, eu adoro isso. Ele é tão amoroso e atencioso comigo. Muito diferente de Jean Patrick, que não fala mais comigo desde a iniciação.

Eu também conheci Michelle, minha companheira de quanto. Ela tem 15 anos e é americana. Rute é uma brasileira que eu conheci durante uma aula de história, eu estava dormindo e o professor me fez uma pergunta, como eu não sabia responder comecei a gaguejar, para me salvar de dar um papinho com o diretor, Rute cochichou a resposta no meu ouvido (ela senta atrás de mim). Depois disso, ficamos muito amigas. Rute é quem me salva de só tirar zero em história, ela estuda comigo. Não, eu não copio a prova dela, tenho o mínimo de decência de me ferrar por conta própria de forma honesta. Ela era aspirante a modelo quando teve de vir para o St. Peter. Essa brasileira muito simpática consegue fazer com que todos os meninos do colégio façam o que ela quer com apenas um sorriso.

Miranda é a companheira de quarto de Rute, igualmente muito bonita. Ela é australiana, mas morou muito tempo na Ucrânia, ela é filha do maior empresário de lá, mas aí teve de se mudar e seu pai perdeu o contato com ela. Só tem uma coisa que sinto realmente pena de Miranda, ela é daquelas que se apaixona. Até aí tudo bem, afinal, eu também sou assim, como a maioria das pessoas, mas Miranda só cai de amores pelos caras errados. Ela me contou que teve uma época que ela era louca por um modelo que estava hospedado na casa de seu pai. Tiago, um romeno loiro, lindo, com corpo que mais parece uma escultura, olhos negros e um sorriso cativante. O problema é que ele é gay. Imagina a cara de Miranda quando soube, ela tinha acabado de se declarar para ele, então ele falou que não poderia ter nada com ela porque ele gosta de outra coisa. Coitadinha...

É meio-dia, eu estou sentada no pátio principal esperando por Enzo. Ele me encontrou no intervalo entre o segundo e o terceiro horário e pediu para eu esperá-lo aqui, nesse horário. Então, aqui estou. Esse pátio é interessante, a iluminação é toda artificial, assim como o céu, mas parece tão real, as nuvens até se mechem.

- Rebecca! – escuto a voz de Enzo me chamando.

- Enzo! – eu grito animada.

- Rebecca, eu estou muito feliz. – ele me abraça. Depois disso, eu também estou.

- Que ótimo! Conta logo. Estou curiosa.

- Lembra que eu te falei que eu queria viajar pelo mundo em busca de uma forma de curar esse nosso “problema”?

- Lembro sim! E que você só poderia fazer isso mediante a aprovação do diretor.

Como não lembrar? Ele fala disso desde que nos conhecemos. E pela cara e felicidade dele, sem contar o fato dele estar segurando a minha mão, algo muito bom aconteceu.

- Sì, sì! Eu acabei de voltar da sala do diretor! E adivinha? – ele dá uma pausa, dando um ar de suspense.

Ah não, ele foi falar com o vilão intergaláctico! Não pode ser. Ele vai ser expulso! O que ele fez pra isso? Ou ou... Ele vai ser enviado pro Havaí para limpar o interior de vulcões ativos! Existe essa profissão? Ou ele vai ser enviado para ser policial em Bagdá! Não, não! Eu não conseguiria viver sem ele. Não deve ser algo ruim, ele está tão animado!

- Calma Rebecca! – ele deve ter notado minha cara de desespero. – Ele me disse que estou entre os 10 escolhidos!

- Que maravilha! – eu o abraço bem forte.

Isso é tão ruim quanto o resto das coisas, eu vou perdê-lo. Ele vai partir para essa missão e eu nunca mais vou vê-lo. Contra a minha vontade, meu olho começa a lacrimejar. Pra piorar, Enzo nota:

- Amore mio, não se aflija logo. Eu só vou partir quando o grupo estiver completamente formado, temos tempo pela frente!!

- Não se ele formar o grupo amanhã!

- Eu sei, - ele diz passando a mão no meu rosto para enxugar as lágrimas – mas não se preocupe, prometo voltar a tempo do seu aniversário.

Eu não consigo responder, apenas o abraço novamente.

- Enzo! Caczo, venha logo! – alguém grita ao longe.

- Eu preciso ir, Rebecca. – dito isso ele da um beijo na minha testa e parte.

Eu olho ao redor para ver se não há ninguém vendo minha cena deplorável. Convenhamos, chorar por um cara que não é, nem de longe, meu namorado, me faz parecer uma babaca desesperada. Enxugo o resto das lágrimas e olho novamente em volta e os vejo sentados algumas mesas de distância do banco que estou.

Jean Patrick está aqui.

E com uma garota de cabelo rosa.

Não ia demorar muito para eu conhecer a vaca que o tirou de mim. Podia ter sido uma melhorzinha... Sinto uma vontade de socá-la, mas estou muito fraca para isso. Pera, eu tenho de me controlar, ela não o tirou de mim, ele nunca foi meu! O que eu to fazendo, poligamia nunca foi meu forte – infelizmente -, há segundos eu estava chorando por Enzo! Jean Patrick está me encarando, algo parece ter o irritado. De repente, ele se levanta e vem até o banco em que estou sentada, e se senta onde estava Enzo a menos de um minuto atrás.

- Olá estranho. – digo sorrindo sarcasticamente.

- Não me venha com essa de “estranho”. – ele não parece nada alegre, quase posso ver as chamas em seus olhos. – Você que não fala mais comigo, “estranha”, desde a iniciação!

- Eu? Você que só quer saber daquela ali de cabelo rosa. Não venha falar de mim, se você também não tentou me procurar!

Acho que se ele me estressar mais um pouco, eu sou capaz de matá-lo. Tenho vontade de dar uma tapa da cara dele e sair correndo chorando. Não! Eu sou forte, não vou dar esse gostinho a Jean Patrick.

- A Zoey? Ela é só uma amiga. Pelo menos ela conversa comigo. E você com Enzo? Pensa que eu não notei o clima entre você e o meu colega de quarto!

- O quê? Então é isso. – eu olho ao redor rindo sarcasticamente e depois o encaro – Você está com ciúmes!

- Ciúmes? – ele parece incrédulo, me engana que eu gosto.

- É isso mesmo, ciúmes! Você não suporta ver outro garoto conversando comigo.

- Garota, você ficou louca. Só por que a sua espinha desapareceu e seu cabelo está mais cacheado e mais bonito, você ta se achando o centro das atenções! Pois está muito enganada. Eu só... Eu só... – ele gagueja – Eu só gostaria de saber se um dia ainda vou ver aquela Rebecca que eu conheci no hotel. – ele da uma pausa e então fica sério – Porque essa daqui não tem nada haver com ela!

- Eu não tenho de ficar aqui aturando você! Se não gosta de mim como eu sou, não precisa mais ser meu amigo!

Eu me viro de uma vez e vou embora sem dizer mais nenhuma palavra. Calma, ele acabou de dizer que meu cabelo está mais bonito? E ele notou que estou sem a Jenna? Tá, isso é fácil de se notar! Será que ele fica reparando esses mínimos detalhes em mim? Rebecca Fosten Laurevan, afaste esses pensamentos felizes, você odeia Jean Patrick! A voz do pequeno ser que vive no meu inconsciente grita para mim e Plaft! Eu caio no chão. Claro, não reparei no degrau, e como era de se esperar, eu tropecei.

Não posso perder a pose.

Rapidamente, eu me levanto, bato a poeira da roupa, e saio andando como se nada tivesse acontecido. Péssima hora para cair. Jean Patrick deve estar rindo da minha cara. Por que essas coisas sempre acontecem comigo?

Eu vou para o quarto. Ainda tenho cinco aulas hoje, mas não vou para nenhuma. Três delas eu fico na mesma sala que Jean Patrick, e eu não pretendo olhar na cara dele tão cedo. Fico no quarto a tarde toda, aproveito para escolher a roupa da festa de iniciação, colocar minhas tarefas em dia e arrumar meu quarto. Essa vai ser a primeira iniciação que eu assisto. Pensando bem, acho que não vou. Jean Patrick vai estar lá, e eu não quero vê-lo de jeito nenhum.

Por volta de seis horas da tarde Michelle entra no quarto:

- Oi Becky! - diz Michelle. Ela não gosta de Becca, então me chama assim.

Michelle sempre foi muito simpática comigo desde que eu cheguei, mas ela não é alguém que eu contaria meus segredos. Sei lá, algo nela não me dá confiança.

- Oi Mikki. – eu continuo achando muito estranho chamá-la de Mikki.

- Nossa, que desânimo! Espero que isso passe até meia-noite. – ela diz super empolgada.

- Eu acho que não vou. – se está sonhando que vou para uma festa de arromba depois de ter visto Jean Patrick com aquela sirigaita de cabelos coloridos, está bem enganada Michelle Satzvan!

- Como não vai? Mas vai ser a primeira iniciação que você assiste! A primeira é inesquecível.

- Como foi a sua primeira? – pergunto testando-a.

- Er... Era... E faz dois meses que não temos uma festa! – ela muda de assunto do nada e começa uma tese demonstrando os motivos que eu tenho de ir para a festa.

No final, eu cedo. Como sempre. Eu preciso aprender a ser durona, como aqueles caras de filmes de ação. Não, eu não vou fazer isso, e se você insistir mais uma vez, eu te parto a cara.

- Tudo bem, tudo bem. Eu vou, mas só para a festa. Não vou assistir a iniciação – digo nada animada.

- Maravilha! E trate de melhorar essa cara de desânimo! Vá se arrumar logo. São nove horas e eu ainda tenho de me arrumar.

Uau. Passaram-se quase três horas desde que Michelle entrou no quarto e começou a falar. Não sei como ela ainda tem voz. Eu não sei o que ela tanto falou, juro que não reparei muita coisa. Eu entro no chuveiro. Enquanto isso, Michelle continua a falar comigo do lado de fora do banheiro. O mais engraçado em conversar com ela é o seu sotaque americano, muito diferente do meu. Tem vezes que eu me seguro para não rir enquanto ela fala.

- Eu fiquei sabendo que é um garoto que fará iniciação hoje. E QUE ELE É DE LONDRES! – ela fala a última frase mais alto, se certificando que eu ouvi.

- Sério, que ótimo! – tento ser simpática, mas pra falar a verdade, não estou com cabeça pra conversar com Michelle.

Eu não consigo parar de pensar no Enzo nem no Jean Patrick. Para não deixar nítida minha falta de interesse no que Michelle está falando, de vez em quando eu falo uns “uhuns” de compreensão.

- Eu vou apresentá-lo a você na festa. Não sei como, mas vou dar um jeito. – ela conclui quando eu desligo o chuveiro. Michelle parece decidida ao falar isso.

- Ótimo! – eu não faço à mínima ideia de quem ela está falando.

Quando saio do chuveiro, já pronta, falta só me maquiar, e isso eu vou fazer no quarto de Rute e Miranda, tínhamos combinado mais cedo.

- Eu vou lhe procurar na festa. Nem pense que conseguirá fugir de mim. – ela diz entrando no banheiro.

- Tá bom. – eu digo ao meio de um risinho.

Saio do quarto, assim que me viro após fechar a porta vejo Jean Patrick sentado em um dos bancos do corredor do alojamento feminino, o mais próximo do meu quarto. Como ele sabe que esse é o meu quarto? São 15 corredores no alojamento feminino, ele não pode ter simplesmente adivinhado.

- Rebecca. – ele se levanta.

Não acredito que ele está aqui, depois de tudo eu fez comigo! Ele deveria sentir vergonha em dizer o meu nome! Eu o olho com desprezo. Ele fica lindo de terno. FOCO! Pare de elogiá-lo mentalmente Rebecca! Tenha vergonha na cara.

- Você deve me odiar, ou não, mas eu preciso lhe falar isso. - Ele olha para o chão e depois olha em meus olhos. – Você estava certa. Sobre tudo. Eu estava morrendo de ciúmes.

Eu estou em choque. Não tenho palavras. Jean Patrick se aproxima de mim e pega na minha mão.

- Eu estou morrendo de ciúmes. Cada vez que Enzo lhe dá um beijo na mão ou na testa, cada vez que ele entra no quarto e diz o quanto você é bonita e como ele é louco por você. Cada vez que isso acontece, parece que meu coração está no centro de um ringue de boxe levando a pior. Rebecca, eu tentei ignorar, eu tentei fugir, eu me afastei de voCê, mas isso só foi pior. Rebecca, eu te amo. Eu te amo desde que dividimos aquele elevador no hotel. A cada dia que eu passo sem te ver ou sem poder ouvir a sua voz é como se o sol não tivesse nascido. Você é o sol que não me faz mal. Eu preciso de você, Rebecca. Eu te amo.

Então ele chega mais perto de mim e me beija nos lábios. Eu não consigo acreditar. Quer dizer que não o perdi. Mais do que isso, ele me ama! Eu estou me sentindo no céu, meu corpo todo sede e eu retribuo os beijos de Jean Patrick. Nada poderá nos impedir de ficar jun–.

- Não. Não. – eu me afasto de Jean Patrick e corro para o quarto de Rute e Miranda, que fica em outro corredor. Eu me identifico e elas abrem a porta. Eu entro ofegante.

- O que houve? – elas falam ao mesmo tempo.

- Eu não posso. Arf... Arf... Eu não posso.

- O quê? Conta logo! – fala Miranda.

Eu as explico tudo que houve desde meio-dia.

- E por que você não fica com o Jean Patrick? – Rute parece atordoada com a minha decisão.

- Porque eu amo Enzo! Bom, eu acho. Eu amo os dois. Eu não sei o que fazer!

- Amiga você vai ter de escolher. – Miranda conclui.

- Eu acho que não vou mais para a festa de iniciação, nem para a cerimônia. – digo.

- Para festa você vai sim! Nem que nós tenhamos de arrastá-la! Se der uma hora da manhã e você não estiver lá, eu venho aqui lhe buscar! – Rute parece falar sério.

- Que seja. Agora eu vou descansar um pouco, tenho de colocar as coisas no lugar.

Elas se despedem de mim e vão para a cerimônia. Eu fico no quarto delas pensando o que fazer da vida. Eu não posso ter os dois, é maldade com eles! Terei de escolher, mas eu gosto tanto de ambos... Ahh...

(N/A: se quiser que fique melhor essa parte, coloque para tocar Imbranato do Tiziano Ferro, eu escrevi ouvindo)

Meia noite e quarenta e cinco. Eu coloco meus sapatos e vou para a festa. Assim que entro no salão, Enzo me vê. Eu sorrio fraco para ele, que se aproxima e me puxa para o centro e começamos a dançar.

- Rebecca, eu preciso lhe dizer algo. – ele fala sério perto do meu ouvido, com um sussurro que me faria cair se ele não estivesse segurando minha cintura.

- Não pode ficar pra mais tarde não? – falo um pouco preocupada. Eu me sinto uma traidora em falar com Enzo depois do Episódio Jean Patrick no corredor.

- Não, tem de ser agora. A música é ideal para o momento – ele dá uma pausa, eu escuto o que toca, parece italiano. – Rebecca, lembra quando você desceu as escadas na sua iniciação? – eu aceno positivamente lembrando-me da minha quase queda – Desde aquele momento eu cheguei a conclusão que nunca mais veria ninguém mais bonita que você. Quando você tropeçou e caiu por cima de mim, eu tive certeza que só podia ser destino. Eu não falei isso antes por medo de você não sentir o mesmo por mim, mas quando eu te vi triste em saber da minha viagem eu tive certeza que era o momento. Como diz a música: Scusa se ti amo e se ci conosciamo da due mesi o poco più. Scusa se non parlo piano, ma se non urlo muoio. Non so se sai che ti amo. Scusami se rido, dall'imbarazzo cedo. Ti guardo fisso e tremo. All'idea di averti accanto e sentirmi tuo soltanto. E sono qui che parlo emozionato. E sono un imbranato! – eu não entendi bulhufas, mais sabia que era algo muito bonito. Acho que Enzo reparou que sou leiga em italiano, pois logo ele traduziu – Desculpa se te amo e se nos conhecemos há uns dois meses ou um pouco mais. Desculpa se não falo baixo, mas se não grito, morro. Não sei se sabe que te amo. Desculpa-me se rio, se me entrego ao embaraço. Olho fixo para ti e tremo. A ideia de te ter ao meu lado e sentir-me somente teu, estou aqui, e falo emocionado. E sou um atrapalhado. Rebecca Laurevan, descendente dos Griffith, ti amo.

Suas mãos sobem da minha cintura para a minha nuca, seus polegares brincam um pouco com a minha bochecha e ele me puxa para perto. Foi uma questão de segundos para que nossos corpos estivessem juntos assim como nossos lábios. Totalmente contra a minha vontade, minhas mãos criam vida e sobem para os cabelos de Enzo. São macios. Eu o amo, agora eu sei disso. Eu sempre o amei. O que eu to dizendo? Eu devo ser a pior pessoa do mundo todo!

- Eu não posso. – digo, afastando nossos rostos, ofegante.

- Por quê? Você não me ama Rebecca? O que eu fiz para não te merecer? – ele fala destruído por dentro, não consigo suportar isso. Rebecca Laurevan, você é a pior pessoa que já surgiu na Terra!

- Não é isso. Eu te amo Enzo, sou louca por você há muito tempo, desde que tropecei e caí por cima de você, eu acho. Mas...

- O que há de errado? – ele parece preocupado.

- É que eu também amo Jean Patrick. Eu não sei! Eu... Eu... – eu me sinto suja, um lixo. – Eu sou uma babaca.

- Entendo. – ele olha para o chão e depois me encara – Rebecca Laurevan saiba que enquanto eu viver, eu lutarei para ficar ao seu lado.

- Oh, Enzo! – eu o abraço, mas uma parte de mim quer se jogar na fogueira das meninas otárias que querem tudo e acabam não tendo nada.

- Rebecca, nem que eu tenha que desistir da minha viagem para ficar ao seu lado, eu farei!

- REBECCA! - escuto a voz de Michelle ao longe.

Eu olho para Enzo, ele acena como se me autorizasse a ir com ela e me beija na testa. Michelle chega e ignora Enzo:

- Venha, eu quero que você conheça alguém.

- Te vejo depois. E não desista de nada, ok? – digo para Enzo.

Eu vou com ela, mas antes, olho novamente para Enzo. Ele está me olhando, e me manda um beijo à distância.

- Quem é, Mikki? O novato?

- Aham, o londrino que eu prometi que ia te apresentar. Ele está ansioso para te conhecer! Ali está ele! – ela acena para ele.

Não. Não pode ser! Isso só pode ser uma brincadeira de mau gosto. Meu pai fez isso para me fazer confessar o beijo na bochecha que ele me deu. Mas que mal há nisso? Não! Qualquer um menos ele. Não! Luke Clanchett não! Por quê? Esse não é meu dia!

- Becca! – ele fala correndo em minha direção;

- Luke. – falo sem muita animação.

- Parece que vocês já se conhecem. Eu vou deixá-los conversando e vou andar um pouco.

Algo me diz que ela saiba de tudo.

- É tão bom te ver, Becca! – ele me diz – Você está linda!

- Obrigada. – falo, constrangida – É bom te ver também Luke.

Então começamos a conversar, na verdade, ele fala, eu ainda estou em choque com tudo que me aconteceu hoje. Quando me dou por mim, estamos no pátio principal, sentados. Noite. Esse é o único horário em que o sol do pátio principal é real, eles tiram a proteção para nós podermos admirar a lua. Hoje ela está cheia, linda como sempre.

- Eu achei que você fosse mais velho do que eu.

- Não, dois meses mais novo. – ele ri baixo. Estranhamente, há dois meses esse riso me faria tremer e chorar, mas agora, não sinto absolutamente nada. – Sabe Rebecca, tem algo que eu queria te dizer desde aquele dia no rinque de patinação. Eu liguei para sua casa várias vezes, mas me disseram que você tinha viajado com seu pai. Então, quando eu soube que viria para esse colégio, tive certeza que iria te perder. Mas, para você ver como é o destino, aqui está você!

- Luke, não pode ficar para de—

- Não. Tem de ser hoje, e agora. – ele chega mais perto de mim. Merda, merda, merda, merda. Tudo hoje?! – Rebecca, eu te amo.

Então ele me beija. Não preciso dizer aonde... Estou tendo uma sensação de Déjà vu. Parece que e já vi esse filme, pela terceira vez em menos de meia hora!

- Luke, - eu me afasto – olha, não vai dar certo. Muita coisa mudou desde que eu me mudei. Eu sempre gostei muito de você, mas agora existem outras pessoas na minha vida.

Eu corro indo embora.

- Rebecca Laurevan, eu vou brigar por você! – ele grita para mim.

Isso não pode estar certo. Não! Por que Luke tina de aparecer para bagunçar mais ainda o que já está ruim! Três declarações de três garotos que eu amei. Que eu amo – tá, dois que eu amo, um que eu amei. Eu corro para o meu quarto, agora que já sei o caminho fica mais fácil. Não demoro muito para chegar, abro a porta. Assim que entro reparo um vento frio. A janela estava aberta, eu a fecho. Viro-me para minha cama, ela está toda desarrumada, todo o meu lado do quarto está bagunçado. Estranho, eu arrumei tudo hoje. Depois eu vejo isso, afasto a bagunça da minha cama, troco de roupa de durmo. Não tenho mais cabeça para nada hoje.

x.x.x.x.x.x.x.

Capítulo reescrito e postado em 16 de julho 2010

Siga para o capítulo 9 >>

3 comentários:

Renata disse...

menine, você não pode acabar o capítulo assim!
como vou conseguir esperar uma semana pra ler o próximo!? >.<
haha

ficou muito bom mesmo :D

naná(aquela que falou contigo no orkut hoje rs)

Anônimo disse...

MEEEEEEEEEEEEEEEEEU DEEEEEEEEEEEUS, GAROTA!
Será que eu preciso me transformar numa velha e ter uma espinha pra receber TRÊS declarações em MEIA HORA???
Alguém lá em cima me odeia.
Cara, tu num sabe a sensação de Deja vú que eu senti nesse finalzinho... Sabe o mangá que eu te emprestei, MeruPuri?? tem uma parte que é I-G-U-A-L-Z-I-N-H-A. Sem tirar nem por. A protagonista sai numa viagem, digamos... QUe enlouquece ela, porque os três caras que se dizem apaixonados por ela vão, fora o mentor de um deles e o outro que a odeia. MUUUUITO parecido com isso aqui, sério.
Voltando a história, você quer saber que horas são??? TRÊS E CINQUENTA DA MADRUGADA. Agora 3:51. Tá, tá, 3:51 em São Paulo, aqui 2:51, mas, você entendeu. Amanhã eu vou PRA O CINEMA (na verdade, daqui à 9 horas =DD) e eu to aqui lendo! Pode??? Eu passei a madrugada arrumando VpVil, e vim ler agora... u-Ú, meus neurônios agradecem. Mas quem precisa de neurônios quando se está de FÉRIAS??? Parei.
Então, garota, está PERFEITO! Como sempre =DDD eu comecei a cantar a música quando o Enzo se declarou pra ela... (Enzo sabor guaraná, alívio JÁ! Foooi Mal, eu TIIIIIINHA que fazer isso), nem sabia que sabia essa música, mas sabia \o/
Beeeeeeeeeeeeeeeeijos
Vou deixar tu adivinhar só quem mandou esse recado
dica¹: Quem escreve os maiores comentários?
dica²: Torço MUITO pra o JP. VAI JP, VAI JP MOSTRA A ELA O SEU P... PLÂNCTON! Ah, o que você pensou que eu ia dizer??? Sou inocente (A)
dica³: Enzo guaraná, alívio já que se exploda.

BEEEEEEEEEEEEEEEEIJOS =*
p.s.: a palavra pra digitar aqui é libilis. Nunca ficasse curiosa pra saber qual a palavra que a gente tem que digitar pra expressar nossa humilde opinião? =O CADÊ OS DIREITOS AUTORAIS?? A LIBERDADE DE IMPRENSA??? PIRANHA! PIRANHA! USE UM VESTIDO ADEQUADO! PORQUE EU TO ESCREVENDO ISSO?? NÃO SEI, ACHO QUE É A SENSAÇÃO DE SABER QUE EU SOU SEGUNDO ANO E...
Cansei de escrever.

Bella Quaranta disse...

kkkkk Mari, cada dia tu me impressiona um pouco mais. Eu terminei MeruPuri hoje de madrugada. Vou te devolver. Mas sim, você tem que aprender a focalizar seus comentário. Eu sou segundo ano também tá! e muito antes de tu;
Naná, eu acho que ainda essa semana, se eu conseguir eu posto o capítulo extra, um especial de natal, eu quero postar até amanhã (véspera de natal)


Beijos garotas, obrigada pelos comentários.

Related Posts with Thumbnails